Terça-feira, 25 de Abril de 2017



    (3 depoimentos)

1) → Depoimento do Ex-aluno K-XU

Lembro-me com saudades das noites de sábado quando eu e o baianinho cabra de Montes Claros para cortar caminho seguia um caminho por trás do DEGEO e pegava o rango lá em baixo pois ainda não tinha restaurante no Morro. Bom depois do rango ia ao cinema na seção das seis e em seguida após o cinema a boate do CAEM estava nos esperando. Depois de alguns tragos e muita loira gelada tinha a trajetória de volta que era a mesma , subíamos a pé para economizar. Ao chegar no alojamento , silencio profundo , gostava de pegar o violão e cantar "meu pequeno Cachoeiro" para espantar o banzo , saudades misturado com tristezas , sei lá o que só sei que depois vinha as detonações , bom ai deixo pro finoso contar o resto.



2) → Depoimento do Ex-aluno Geba

O Centro de Convergência do Campus Universitário, local onde se encontra o "alojamento", começou a ser construído em torno de 1973, era para ter 10 andares, oito de alojamentos, mas o patrimônio não deixou a obra ir em frente e ele ficou no 3º andar, que seria o primeiro andar de alojamentos, que é hoje o alojamento e mais recentemente batizado pela "tigrada" como República dos Tigres. O prédio do alojamento, em 1975, era utilizado para guardar materiais do almoxarifado da UFOP, na ala1. A partir deste ano chegaram os primeiros moradores, que invadiam os quartos (celas). Esses moradores eram na maioria alunos chamados de "barões" (amantes da natureza, que vestiam trajes mais parecidos com "rippies" da época). Entre eles o "Chocolate, Teotônio (terrô-coca-cola), e outros incluindo algumas alunas. Nesse período não existia água e a luz estava desligada. A luz foi ligada clandestinamente primeiramente e depois a prefeitura do campus de mês em mês, ou quando havia pedido, mandava um caminhão pipa de água, captada da lagoa do gambá. Em 1976 a reitoria da universidade começou a distribuir quartos para os alunos, mas como pré-requisito eles tinham que ter média acima de 9,0, enfim ser "aluno exemplar", entre eles o Dacildo (dadá), Moraes, Gilda... Havia um protesto generalizado quanto a isso. As chaves ficavam no D.A.E.M (Diretório Acadêmico da Escola de Minas), única entidade então representativa dos estudantes na época, embora atrelada à diretoria da Escola de Minas. Eu fazia parte do Cineclube Viramundo que funcionava no D.A., fiquei sabendo onde eram guardadas as chaves e contei ao então candidato (a uma possível eleição) pela chapa de oposição, o " Paraíba" que fez uma campanha e obrigou a última diretoria atrelada do D.A. a entregar as chaves e então distribuiu-as para os futuros moradores, então houve uma invasão em massa no primeiro período do ano 1977. A partir daí, o alojamento começa a se organizar, e há uma divisão curiosa entre seus moradores: Os Tigres, Os Barões e os Crentes. Tigres era o pessoal que gostava de jogar futebol, beber uma cachaça e que freqüentava o CAEM, já os Barões eram o pessoal que adorava uma cachoeira (principalmente a geladeira e pocinho), caminhar pelas montanhas, etc. Os Crentes em menor número eram os evangélicos. Existiam duas alas famosas, a ala dos Tigres, a ala 7, passaram por ela os tigres Miguel (o pai de todos), Kax(ú), Tião Medonho, Kakão, entre outros e ala dos Barões, a ala 4 e 1 do Geba, Chocolate, Fabinho, Terrô-coca-cola, Zé-do-pau entre outros, existia ainda a ala dos CDFs, a ala 3 do famoso morador Catalão e ainda do Vagãozinho, entre outros. O alojamento tinha (como hoje) 8 alas com 8 quartos cada um, e o primeiro ficava vazio e seu banheiro tinha chuveiro elétrico usado pelos moradores da ala. Na época o Restaurante do morro ainda não funcionava e o sistema de água quente por caldeira não funcionava. Eram várias as diferenças do alojamento com as repúblicas da UFOP, a começar pela escolha de um novo morador, ela não existia simplesmente o morador do quarto quando se formava passava a chave para qualquer aluno, sem interferência dos demais moradores, ao contrário das repúblicas. Outra diferença é que o alojamento por ter quartos individuais era habitado por alunos que não se davam bem em repúblicas por vários motivos entre eles os psicológicos, financeiros e além de tudo era a única moradia mista da universidade, e também a única moradia que permitia casais com filhos. Havia uma união surda entre os moradores do alojamento, ela só aparecia quando era necessário, como quando a reitoria tentou cobrar uma "taxa simbólica" no alojamento, ninguém aceitou, pois ficou claro que taxas simbólicas viram aluguéis com o tempo. Outra rebelião que teve a participação do alojamento foi a tomada dos ônibus, até então gratuitos, alunos dormiram dentro dos ônibus obrigando o reitor Teódulo, a ceder em sua tentativa de cobrar as passagens campus x cidade. Em 1979 colocamos no ar a primeira FM de Ouro Preto, a Rádio Apocalipse, +ou- 98,4 MHz, 1 milhão de microwatts de potência, que funcionou durante vários anos, com 150% de audiência, como diziam seu loucutores, entre eles Geba, Minhoca, Julian-Bech, Marcinha, Mário Baiano entre outros. Slogan principal: “Rádio Apocalipse no ar até o sol raiar, ou quando o DENTEL chegar" (era, é óbvio, uma rádio pirata), o transmissor foi construído e gentilmente cedido por aluno do ICHS, o Talfik, que depois veio a morar no alojamento. Até 1982, não se fazia festa do 12 no alojamento, todos iam para as repúblicas, aliás quase todos moradores tinham um pé em alguma república, para trocar informações em época de provas ou para irem nas festas, ou ainda para "capotar" depois de uma noitada, pois era impossível 'as vezes subir o morro pela Vila Aparecida de porre, e táxi nem pensar. Em 1982 surgiram as repúblicas do morro do cruzeiro, havia boatos que o alojamento acabaria, pois seus moradores mudariam para estas, mas não aconteceu nada disso, e por outro lado abriu-se o Restaurante universitário do campus do morro, melhorando o conforto dos seu moradores. Então as repúblicas começaram a fazer também suas festas, e no alojamento, além das festas o espírito de república foi cada vez mais incorporado com uma sala de lazer com tv, som telefone... e organização, coisa que antes de 1984 era impossível no alojamento, para se ter uma idéia uma reunião era convocada desligando-se a chave geral do alojamento que ficava no hall de entrada, então sem luz, no escuro, não restava outra alternativa senão ir protestar contra o desligamento da energia, e quando chegava lá eram prontamente "convencidos" a fazer parte da reunião.



3) → Depoimento do Ex-aluno Ascariz

*************************************************************************
***** Este não é um texto acabado. Prometo escreve-lo aos poucos          ********
*****                   AsCaRiZ, ThE MaN********
*************************************************************************

Ainda me lembro de quando fui fazer a chamada "batalha por fora" para entrar na Tigrada. Quem me levou para lá foi o Amadou Papa Guey, um senegalês que quase virou Tigre. Lá já estavam em batalha alguns amigos meus de Engenharia, o Bodim, que já conhecia da ETFOP, o Lumbriga, também de meus tempos de ETFOP e de Santa Bárbara, o Mel e o Tico-Teco que faziam algumas disciplinas (cadeiras) comigo. Vale observar que entrei na UFOP em 1990 para fazer o curso de Engenharia Geológica, morei 6 meses na histórica, finada e saudosa, 7Palmos, de onde também saíram o Bussa e o Maurício, meu irmão que também é amigo da Tigrada.

Fiquei uns 2 meses conhecendo a galera e batalhei mesmo uns 15 dias, quando ia sempre na ala 6 para declarar a todos meu interesse e conhecer o pessoal. Nesta época moravam alguns Tigres históricos, vou mencionar por agora apenas uma passagem com 2 deles.

Eu estava conhecendo o pessoal da Ala 7 quando na frente do 2o quarto à esquerda, onde morava o Tarefa, estavam o Bidão e o Mr. Xis conversando sobre Mecânica e Cálculo Numérico. Acho que eles já tinham tido a prova de Mecânica e teriam a de Cálculo. Putz, pensei comigo : "Esses caras estudam demais, o papo deles é sempre sobre estudo !", confesso que fiquei meio temeroso, pois não era muito de estudar ainda. Ha ha ha, ledo engano. Quanto ao Xis não sei dizer certeiro, mas o Bidão tirou o Cálculo Numérico no mesmo ano que eu, quando já fazia Computação.

Algumas frases históricas:

"Bichão ela é minha. Eu ví primeiro !" (Xis)
"Raquel eu te amo." (Xis)
"Hiiii, filho. Conheço demais." (Barbosinha - que, curiosamente, não tem seu quadrinho na Tigrada)
"Vão bebe Putada." (Bidão, Viúva, Sidá, Tarefa. Acho que todo mundo já falou esta.)
"Vá pro inferno com seu amor / Sô eu amei ei ei ei / Você não me amouuuuuuuuuuuu." (Xaverim chorando suas mágoas de amor no fundo da ala 6.)
"Volta Olímpicaaaaa!" (Chamado para a volta em torno do alojamento em trajes sumários.
"Poircô, poircô !" (Xis na ala 6)